top of page
  • Writer's pictureGabriel Toueg

Quino, criador argentino da 'Mafalda' (1932 — 2020)

Updated: Jan 24

Tão triste quanto a notícia da morte de Joaquín Salvador Lavado Tejón (17.jul.1932 — 30.set.2020), ou simplesmente Quino, é a morte, com ele, da menininha de eternos 6 anos (mas que completou 56 ontem), questionadora e talvez o símbolo e a voz mais fortes e conhecidos do descontentamento latino-americano.


Mafalda se vai com seu criador, que deixou uma porção de histórias da garotinha que odeia sopa e que tinha tiradas satíricas e repletas de inteligência sobre a situação política da Argentina e da região e cabidas indagações sobre a existência humana e sobre injustiça social. Mafalda nasceu nos anos 1960 mas suas indignações sobre aquela época seguem atuais, lamentavelmente.


Garotinha de classe média de Buenos Aires nascida em San Telmo em 29 de setembro de 1964 (Quino morreria um dia depois de seu aniversário), Mafalda era indignada com a violência e as guerras. Certa vez, gritou:


Parem o mundo, que eu quero descer

Quino e a escultura de Mafalda, em San Telmo, Buenos Aires, em 2009 (foto: Alejandro Pagni/AFP)

Tantas outras frases de Mafalda, como esta, foram traduzidas para 20 idiomas e deram voltas ao redor do mundo para denunciar a insatisfação com a política. Em 2014, ela fez 50 anos em forma. Na época, o escritor Umberto Eco a chamou de "heroína enraivecida". Quino, também ele, celebrou o aniversário.


Fico surpreso quando vejo como temas que abordei há 50 anos permanecem atuais. Até parece que desenhei a tira hoje. Deve ser porque o mundo continua cometendo os mesmos erros - Quino

O cartunista morreu hoje aos 88 anos depois de ter sofrido um AVC na semana passada. "Morreu Quino e, com isso, todas as pessoas boas deste país e do mundo irão chorar", disse seu editor, Daniel Divinsky, ao anunciar a notícia nas redes sociais. #QEPD #RIP

1 view0 comments
bottom of page